A poesia anda na rua, ou é de mim

06 janeiro 2017


Aproveitar o Inverno para apreciar a vida que noutras Estações se esconde numa árvore e agora se revela sem o querer.

Ir a um encontro para tomar um café e a dois minutos de lá chegar, parar para ver as renas que saiam duma janela, sem saber que ía encontrar as mesmas cores na sobremesa que pedimos e nos desenhos dela.

Trazer de Braga, na última ída crónica do ano, uma das mais bonitas imagens que vi em 2016.
Um vendedor de tangerinas que também espalha poesia.

Uma das mais urgentes decisões, concretizá-lo.
...

A par das novidades, as promoções continuam, na loja.

2 comentários :

  1. Dulce09:13

    Como sempre uma visão única e definitivamente tão poética das ruas. Gosto imenso da tua sensibilidade fotográfica e sim, para mim, principalmente no Inverno, há uma beleza gráfica que não existe nas outras estações do ano, em especial as árvores que, para mim, no Inverno, são ainda mais bonitas.
    A tua filha tem um potencial enorme, não me admira nada que muito em breve (se é que ainda não aconteceu) possamos ver o trabalho dela numa galeria. Parabéns.
    Um bom ano. Que as coisas más se resolvam e que coisas boas aconteçam.
    Beijinhos

    ResponderEliminar