Já fui uma casa

24 janeiro 2015





Continua a aventura de tornar esta casa na "nossa casa" e não apenas um habitáculo que nos abriga, uns dias mais do que outros, mas nos acolhe e dá o que pode.

Temos vindo a conhecer-nos, descobrimos-lhe uma personalidade vincada, mas damos atenção aos detalhes, valorizamos as diferenças, atenuamos os defeitos e vamo-nos habituando.

A M, é a que mais tem estranhado, sem memórias doutra casa que não a anterior, sente falta do sol que lhe invadia o quarto e de mais espaço por onde se esticar. 

Bem gostaria que recordasse, tal como eu ( tanto, que às vezes parece-me que ainda a sinto), os nove meses que viveu em mim, no espaço mais exíguo de todos, escuro, barulhento e húmido, apertado demais para quem gosta tanto de espaço, mas onde a sabia protegida e confortável, apesar de tudo.
Mas como uma casa assim perfeita, jamais lhe poderei voltar a oferecer, espero pelo dia em que se sinta bem nesta ou noutra que venhamos a ter. 
E que os dezasseis anos que está prestes a festejar lhe ensinem que a melhor casa de todas será sempre a que traz com ela, o seu corpo.

Por agora tudo nos parece ainda temporário. Nada que o passar do tempo não consiga amenizar e apesar do Inverno trazer com ele esta típica melancolia, há-de vir a Primavera e com ela o sol, capaz de tudo dissipar.   

E está-se tão melhor aqui...

1 comentário :

  1. Que sejam sempre a casa uma da outra. Um abraço*

    ResponderEliminar